Em quase todos os aspectos da nossa vida buscamos ser e ter o melhor que pudermos. Desde cedo somos ensinados que temos que nos aperfeiçoar se quisermos ser alguém de sucesso e alcançar nossos sonhos. De fato, vivemos em um mundo competitivo no qual é preciso estar cada vez mais preparado se quisermos ser bem-sucedidos. O problema é quando acreditamos que precisamos ser perfeitos e alcançar a perfeição em tudo que fazemos.

Recebo muitas pessoas em meu consultório que se dizem procrastinadoras, indisciplinadas e que facilmente perdem a motivação para terminarem o que começam. Em uma avaliação mais minuciosa de seus pensamentos e crenças vejo o quanto essas pessoas almejam a perfeição em tudo que se propõem a fazer. É comum essas pessoas terem pensamentos do tipo “Eu poderia ter feito melhor”, “Se não for para ser perfeito eu nem faço” ou “Preciso ter certeza de que vai dá certo antes de começar”, elas não percebem que criaram um ideal de perfeição que dificilmente pode ser alcançado.

Não quero dar a entender que nunca conseguiremos que as coisas saiam perfeitas ou que não temos que nos esforçar para fazer o melhor, mas quero chamar a atenção para um estilo de vida de quem sempre busca a perfeição. As pessoas que mais procrastinam ou desistem são as que buscam a perfeição e justamente porque nunca a alcançam é que elas chutam o balde.

Quando aprendemos a olhar a vida em um continuum que vai de 0 a 100 onde 0 é total imperfeição e 100 é total perfeição, veremos que entre uma extremidade e outra há diferentes níveis que podem ser alcançados. Pessoas que buscam perfeição geralmente pensam em termos de tudo ou nada como, por exemplo, ‘ou algo é bom ou é ruim”, “se não é perfeito é imperfeito” ou “se não é inteligente então é incompetente”, elas possuem dificuldade para relativizar as situações, e assim ficam limitadas em suas escolhas.

Quando alguém acredita que deve sempre alcançar 100% de perfeição, esta pessoa terá sempre que despender um esforço enorme para atingir essa meta e isso é um desgaste físico e mental muito grande de suportar. Pessoas perfeccionistas costumam sofrer com problemas de ansiedade e estresse e estão sempre tensas e preocupadas com seu desempenho, no fundo elas não acreditam na própria capacidade e competência porque sabotam a si mesmas.

Precisamos aprender a ser flexíveis, a caminhar entre os diferentes níveis do continuum da vida, precisamos entender que dar 70% ou 80% do nosso melhor pode ser uma grande conquista, precisamos compreender que não estar no 100% não significa estar no 0%.

Acredito que o segredo para uma vida leve está, não em chegar em um determinado ponto de perfeição, mas em estar sempre caminhando, se permitindo ir e vir no continuum da vida, aceitando que nossas limitações e imperfeições, vez ou outra, vão aparecer, e são os que souberem lidar com elas que chegarão mais longe.

 Juliana Lima Faustino

Imagem: Google

Anúncios